18/05/2016

Ser Equipante

Abriu mão de estar com a namorada no final de semana ou jogar bola com os amigos no sábado a tarde; podia usar o sábado e domingo pra descansar da faculdade; ou quem sabe assistir um bom filme; uma viagem?; tantas outras opções...
Foi ser monitor de um grupo de 5 adolescentes num acampamento. Cara sem noção...
Com certeza um dos objetivos mais interessantes desses acampantes era o de trolar este jovem monitor e juntos rirem nas costas dele até não aguentar mais. É bem certo que não dormiu bem na primeira noite.
Isso não é tudo: foi preciso mediar os conflitos dentro do grupo e estimular tomada de decisões da pequena comunidade; correu com eles na brincadeira noturna e ensinou que nem sempre a gente ganha no jogo da vida; fez boia cross; teve que aguentar as brincadeiras que um dia achou boas demais e hoje julga infantis; suportou e até participou num tipo de competição de arrotos e peidos; foi impopular em chamar a atenção por comportamento ruim; não deixou de pegar no pé pra que arrumassem a cama, organizassem a mala ou limpassem o banheiro; e quando tudo parecia levar pra cama ainda tinha uma trilha noturna...
Pai, professor, pastor, amigo, líder de um grupo que agora é família. Um grupo formado por pessoas que nunca mais esquecerão deste monitor e melhor, daquilo que ele ensinou.
Vão lembrar das risadas em volta da fogueira olhando pro céu e curtindo as estrelas; de um cara amigo que brincava junto, mas que era firme quando a situação exigia; lembrar de um cara que as vezes foi chato e que outras parecia da mesma idade que a deles; vão lembrar que quando ele falava de Jesus, parecia que eram amigos tão íntimos que era como se estivesse falando si mesmo.
* Este cara tipifica tantos outros e outras que tomaram do seu tempo como monitores em acampamentos para compartilhar Jesus em uma pequena comunidade de acampantes por alguns dias.
Créditos: Joice Silva